sábado, agosto 20, 2011

Limitada

Preciso libertar o que está preso dentro de mim, mas de certa forma não consigo. Me vejo limitada entre páginas mortas que não fazem minha dor aliviar. Me sinto presa dentro de mim mesma. Me via tão confiante nesses últimos dias e agora sinto que tudo desabou, e não há um motivo exato, e nada aconteceu para que eu pudesse me sentir assim. Apenas sinto que a dor voltou a habitar o meu corpo, que permanecia até então oco, vazio, feito o meu coração. Entre a dor e o nada, eu escolho o nada sem ao menos pensar. A dor tortura cada célula do meu corpo, eu sinto o sangue pulsar diretamente propocional ao meu coração, que se encontra em pedaços, onde as fendas se abriram. Eu vejo sangue escorrer por entre meus dedos e não faz diferença. A dor não cessa.

5 comentários:

  1. Lindo texto...tem horas que tbm me sinto assim.
    Mas toda dor um dia passa, se nao passar uma hora alivia.
    Força. Beijoos;*

    ResponderExcluir
  2. enquanto buscamos observar a dor, ela tende a crescer e tomar proporções inimaginaveis. Basta esquecermos das feridas (mesmo que só um pouco) e elas passam a sumir (aos poucos também).

    ResponderExcluir
  3. Viver a dor é um processo cruel...Só que um dia passa e então conseguimos perceber um céu azul, olhos lindos de um novo amor...Enquanto o sol não chega...Aceita um abraço amigo?
    Bjs linda.
    Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir
  4. a dor, por mais dificil que seja de lidar, vem para nos fortalecer, ela faz com que a gente crie anticorpos para muitas coisas.

    :* Beijos flor

    ResponderExcluir

Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida.

Obrigado por postar sua opinião.
Retribuirei a visita.

beijiinhos